(EN) CANTADA (Autoria: Sônia Moura)

SUSAN BOYLE
Em todo o tipo de canal midiático, Susan Boyle é a atração do momento,

tudo isto porque a moça derrubou conceitos, pré-conceitos e preconceitos, sem mudar o seu visual, sem truques, sem maquilagem, sem “Photoshop” , sem nadinha mesmo. Entrou no palco da TV de cara (quase) limpa, pois sabemos que ninguém sobe ao palco sem alguma maquiagem. Eles dizem que é por causa da luz, deve ser mesmo.

Estamos habituados a vermos o mundo, pelas míopes visões das sociedades de todos os tempos, que elegem seus cânones e valores, incutindo em nós padrões a que estamos expostos e que, também, nos são impostos. E, o pior da história, acreditamos em conceitos, tornados visões, e que são estapafúrdios.

Só é espetacular o que é belo, logo associado ao bem, ao justo, ao bom. As princesas, as Santas, as fadas – todas são boazinhas e … lindas, só as bruxas são feias e… muito más, às vezes, ultrapassam, porque são madrastas.

Até mesmo a Fera (A Bela e a Fera) quando se torna príncipe é lindo, apesar de lhe darem uma colher de chá e ele ser bondoso, mesmo enquanto está na horrorosa pele de a fera. Sempre achei que pintavam a Fera “de boazinha”, só porque, no fundo, no fundo, ela era um príncipe.

Assim, qualquer pessoa, animal, fato ou coisa que, por ventura, fuja aos padrões estabelecidos pelas sociedades de qualquer tempo e de qualquer lugar deste nosso mundo eternamente global(- izado), imediatamente, não deverá ser colocada em exposição, jamais poderá fazer parte do espetáculo, viverá em outro plano, pertencerá ao rol dos excluídos.

Mas, se, porventura, esta figura fora dos padrões estabelecidos for apresentada aos olhos do público, será sempre como aberração ou servindo de chacota, desde muito, os “inocentes” circos já agiam assim. E, se assim agiam era porque havia espectador para este tipo de atração/diversão.

Temos olhos e não queremos ver, ou melhor, vemos o que querem que vejamos. Mas, no caso da Cinderela às avessas, Susan Boyle, foi a audição e não a visão que fez com que a enxergássemos,e pudéssemos ver muito além das aparências.

Longe de estar enquadrada nos atuais padrões de beleza, esta mulher de 47 anos e a sua linda voz deixaram jurados e público embasbacados, fascinados, enfeitiçados com a suavidade de seu canto.

Susan continua deslumbrando um grande número de pessoas pela internet, além de receber convites para participar de programas televisivos e de receber propostas milionárias para seguir carreira, gravar um CD.

Com o seu poder mágico, a princesa, que é uma fera cantando, derrubou barreiras e bagunçou o coreto do estabelecido como verdade absoluta, sabem por quê? Porque…

“A bem da verdade, ninguém resiste a uma boa cantada”

[** Etimologicamente,a palavra “encantar” provém do latim: incanto, as,avi,atum are = cantar em, cantar contra, fazer encantamentos, fascinar, enfeitiçar. ]

SUSAN BOYLE

Escrito por

Sônia Moura

SÔNIA MOURA é Doutora em Letras (Literatura Comparada), Mestra em Letras (Literatura Brasileira), Pesquisadora na área da Simbologia, Professora de Língua Portuguesa e de Literatura Brasileira e Produtora Cultural.

No centro de suas atividades, está sua parceira inseparável: a arte, coordenando suas múltiplas vozes e os misteriosos momentos da sua criação.