Procurei por você

em todos os cantos da solidão,

cantei cantos falando de saudade,

escrevi poemas exaltando o regressar

mas você não veio…

 

Enrolei-me em lençóis de seda,

soltei um gemido de amor e de saudade

que ecoou, ecoou, ecoou…

mas acho que você não escutou…

 

No meio da noite,

a solidão me acordou,

e em um sonho estranho

me levou até um labirinto azul;

perdi-me na trilha,

não soube voltar,

e, ainda assim, você não voltou…

 

Cultivei palavras com gosto de hortelã,

molhei minha boca com gotas de romã,

enxuguei dos olhos lágrimas e quimeras

malhei o corpo, chorei a alma

me desgastei

e você não chegou…

 

Depois,

morta a esperança,

me recompus

e me impus

um novo viver.

Alijei fantasmas,

queimei lembranças

e me desfiz de você

 

*Da obra: Tempos de Espera e de Máscaras

 

 

Escrito por

Sônia Moura

SÔNIA MOURA é Doutora em Letras (Literatura Comparada), Mestra em Letras (Literatura Brasileira), Pesquisadora na área da Simbologia, Professora de Língua Portuguesa e de Literatura Brasileira e Produtora Cultural.

No centro de suas atividades, está sua parceira inseparável: a arte, coordenando suas múltiplas vozes e os misteriosos momentos da sua criação.