Fazer sexo é fácil,

Se for apenas para a procriação

 

Mas o sexo prazeroso

Aquele que é bem gostoso

Depende de toques e retoques

E nada de não me toques

Só não vale levar

A tristeza a reboque

 

É preciso ter tesão,

É preciso ter paixão,

É preciso entregar alma,

E o corpo, com total devoção,

Pois se não houver nada disto

Não haverá emoção

 

Sexo só é gostoso

Quando o egoísmo

Fica bem longe e

A dor logo se esconde,

Para fazer renascer

Eros abraçado a Tanatos

Deixando quem faz amor

Entre o viver e o morrer

Sendo domado e selvagem

A gritar e a gemer

Somente por puro prazer

Praticar sexo de verdade

É gesto de generosidade

Com uma boa dose

Do que chamam

Libertinagem

 

 

Escrito por

Sônia Moura

SÔNIA MOURA é Doutora em Letras (Literatura Comparada), Mestra em Letras (Literatura Brasileira), Pesquisadora na área da Simbologia, Professora de Língua Portuguesa e de Literatura Brasileira e Produtora Cultural.

No centro de suas atividades, está sua parceira inseparável: a arte, coordenando suas múltiplas vozes e os misteriosos momentos da sua criação.