LABIRINTOS (por Sônia Moura)

 

Quando os homens que carregaram meus móveis pesados

Saíram lá de casa

As marcas de seus sapatos enlameados

E de seus passos apressados

Marcaram fortemente o meu chão

Criando labirintos na minha imaginação

 

Quando o homem que eu amei por tanto tempo

Saiu da minha vida

Todas as nossas lembranças foram embalsamadas

E as marcas de todos os nossos risos

Fantasiaram – se de alegrias esperançosas

E ainda hoje formam labirintos na minha imaginação

[Da obra: Coisas de Adão e Eva]

Escrito por

Sônia Moura

SÔNIA MOURA é Doutora em Letras (Literatura Comparada), Mestra em Letras (Literatura Brasileira), Pesquisadora na área da Simbologia, Professora de Língua Portuguesa e de Literatura Brasileira e Produtora Cultural.

No centro de suas atividades, está sua parceira inseparável: a arte, coordenando suas múltiplas vozes e os misteriosos momentos da sua criação.