DÚVIDAS com CERTEZA

O amor me pegou de jeito

Não há como recuar

Atravesso esta ponte

Ou me jogo neste mar?

 

Não sei mesmo o que fazer

Enfrento esta tempestade

Abro cortinas para o sol entrar

Ou deixo a vida me levar?

 

Afasto a nuvem pesada

Afasto o medo de amar

Acordo o silêncio antigo

Ou será melhor me calar?

 

Dinamito a incerteza

E me lanço no vazio

Agarrada a doces lembranças

Ou desafio um rio bravio?

 

Abraço-me com o silêncio

Coloco  lágrimas ao vento

Grito palavras bem raras

Ou entro para um convento?

 

Não sei mesmo o que fazer

Se solto a alma no espaço

E arrisco a me perder ou

Se me escondo na caverna

E me arrisco a não viver

 

Preciso me decidir

 

Já sei o que vou fazer

Vou me espalhar neste amor

Vou fazer um carnaval

Vou me embolar com o prazer

Quero uma ilha deserta

Não para me acovardar

Mas para viver sem “não pode”

Fazer o que der na telha

Entregar o corpo e a alma

Abandonando qualquer dúvida

Adoto toda a certeza

E vou pelo mundo a fora

Praticando o verbo amar

(Da obra: COISAS DE ADÃO & EVA, de SÔNIA MOURA)

 

 

6 comentários sobre “DÚVIDAS com CERTEZA

  1. Fco. Hilário S. Brandão disse:

    Cores, apenas cores

    A doce e renegada alma desfilava
    Sobre pedras vermelhas de vigor
    De um inferno tenro mais onipresente
    Onde o anjo mal descansava suas virtudes
    Pobre de sua alma foragida do paraíso
    Onde o amarelo invejoso o colocou em oposição
    A verdade inteira e interrupta
    Da mente insana que o universo criou
    Cores laranjas explodem o firmamento
    Entre estrelas novas, novas estrelas virão
    O laranja do desespero contradiz
    O verde da esperança que vive loucuras
    Azul é o mar de infinitas mentiras
    Onde marinhos sofrem a destruição
    Deste animal que mora no homem
    Desta nuvem negra que habita os corações
    Universo em desalinho
    Sois em explosões
    Nuvens e mares nunca dantes enxergados
    Estrelas caídas em futuros de esperanças
    Cores e cores, males e males
    Riso, festas. Soluços de alegria
    Choros compulsivos de felicidade tardia
    Que encontra na morte o anjo caído.
    Tudo não passa de corres passando.
    Caleidoscópio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *